Síndrome do Pânico – Sintomas e Tratamento da Síndrome do Pânico

links patrocinados

Síndrome do Pânico

Síndrome do Pânico

A Síndrome do Pânico, ou Transtorno do Pânico ou ainda Ansiedade Paroxística Episódica, como também é conhecida, é uma doença muito mais comum do que se imagina. É considerada uma das doenças da modernidade e se caracteriza por surtos de pânico esporádicos, intensos e muitas vezes recorrentes.

A ansiedade

A ansiedade é um evento natural do corpo humano. Trata-se de um estado emocional normal. O homem tem a capacidade de prever ou se preparar para o perigo. Dentro de um contexto, como a noite anterior a uma entrevista de emprego, por exemplo, ficamos ansiosos com as expectativas.

Tratamento Sindrome do panico

O problema é quando a ansiedade se torna excessiva, sem causa aparente, ocasionando vários prejuízos à pessoa. Neste caso, ela se torna patológica e a Síndrome do Pânico pode ser sua manifestação.

<Diagnóstico e Complicadores da Síndrome do Pânico

As crises podem ocorrem de repente, sem causa aparente, ou por meio de situações e períodos estressantes. O diagnóstico mais confiável é feito por um médico especialista (psiquiatra). É ele quem pode receitar medicamentos e terapias apropriadas para cada caso. Alguns sintomas são bem evidentes:

Ansiedade e panico

  • Sensação de desespero e sintomas físicos: A pessoa acometida por crises de pânico tem a sensação infundada de que algo de ruim está para acontecer. A ansiedade causada por esta sensação deixa o indivíduo estado de atenção e desespero, fazendo com que sinta tontura, estremecimento do corpo, boca seca, falta de ar, medo de morrer, vontade de fugir ou pedir socorro, etc. Muitas vezes, a pessoa pode ter a sensação de que está sofrendo um ataque cardíaco.
  • Repetição: Geralmente, os ataques da Síndrome do Pânico são repetidos, mas sem um padrão de frequência.
  • Imprevisão: Os ataques relacionados Síndrome do Pânico geralmente não podem ser previstos. A pessoa se sente refém do próprio medo entre um episódio e outros, pois não sabe quando poderá acontecer crise novamente.
  • Complicações diárias: Muitas pessoas vítimas da Síndrome do Pânico sofrem com a queda da produtividade e podem ter dificuldades relacionadas ao trabalho, como o desemprego. As relações pessoais muitas vezes também sofrem complicações. Alguns lugares em que ocorreram os ataques são evitados, limitando assim seu espaço e restringindo as suas relações.

Fatores desencadeadores

Crise de Panico

A Síndrome do Pânico geralmente inicia antes dos 25 anos, mas pode ocorrer em qualquer idade. É mais comum entre as mulheres (duas vezes mais que em homens). Em crianças, o diagnóstico só comum apenas quando já são maiores.

Pode ou não estar associada a outras doenças e transtornos mentais. É diferente de outros tipos de problemas relacionados à ansiedade, pois acontece em crises súbitas, com ou sem fatores desencadeantes, que podem ser incapacitantes.

Superação da Síndrome do Pânico

A psicoterapia, a terapia cognitivo-comportamental e a medicação adequada (como os antidepressivos inibidores seletivos da recaptação da serotonina) podem ser bastante eficazes no tratamento da Síndrome do Pânico. Entender o próprio comportamento e posturas é fundamental para descobrir os desencadeadores possíveis de situações que levam às crises. Dormir bem, praticar exercícios, não consumir drogas ou álcool, se alimentar adequadamente e levar uma vida mais equilibrada também fazem a diferença no tratamento.

É importante ressaltar que o tratamento da Síndrome do pânico é lento, depende da disposição do paciente e, para muitas pessoas, a doença jamais desaparece, mas pode ser controlada.

Remedios para Sindrome do panico Ataque de Panico

Praticar Esportes para tratamento de Doenças

Praticar Esportes para tratamento de Doenças

A pratica esportiva é indicada muito mais do que simplesmente para pessoas que querem deixar o corpo em forma. Praticar esportes contribui diretamente para o bom funcionamento do corpo, tornando-o mais saudável e imune a muitas doenças. Alguns tipos específicos de enfermidades, inclusive, necessitam de alguma atividade física no auxilio ao tratamento.

O que praticar

Muito comum para pessoas que possuem algum problema respiratório como a asma ou a bronquite é a pratica da natação. Desde que a criança é diagnosticada com algum destes problemas a pratica regular de um esporte como a natação ajuda a fortalecer os pulmões e todo o sistema respiratório da criança, auxiliando assim no tratamento de doenças no sistema respiratório.

Alguns esportes são muito indicados para correção da postura e alivio de estresse e tensões musculares. Doenças crônicas como lombalgia podem ser tratadas com pratica de exercícios do tai-chi, Yôga e até mesmo algumas artes marciais que não concentram muito das atividades e esforço na região lombar.

O que acontece no caso do tratamento de problemas na coluna é que um trabalho bem realizado auxilia a pessoa a ganhar músculos na região abdominal, isto faz com que o peso do corpo não se concentre na coluna e sim nos músculos, com isto a pratica de esportes auxilia na postura corporal.

O esporte mais conhecido e indicado no tratamento de doenças cardiovasculares é com certeza o “Running”. Este esporte exige muito do coração e do pulmão, por isto ele auxilia no tratamento de varias doenças do sistema cardiovascular. Prem a pratica do “Running” deve ser realizada com acompanhamento medico e profissional para que ao invés de ajudar no tratamento acabe piorando a condição do cidadão.

Até mesmo um futebol de final de semana pode ajudar a fortalecer o corpo e com isto ajuda na formação de maior numero de glóbulos brancos no organismo, isto é, auxilia na prevenção de doenças como o resfriado comum. Mas não pode haver exageros.

Como tratar

A pratica esportiva é indicada a todas as pessoas de todas as idades, porém no caso da pratica esportiva para tratamento de doenças ela deve ser indicada por um medico responsável e devidamente acompanhada de um personal trainner ou fisioterapeuta.

Pesquisar
Artigos Relacionados