Ranking de universidades do Brasil

links patrocinados

Ranking Universidades Brasil

Com tantas empresas, escolas, instituições, entre outras prestadoras de serviços, em atuação no Brasil, passou a ser necessária a instalação de algum órgão regulador que conseguisse fazer uma avaliação da qualidade de tais serviços. Com isso, a população tem não somente informações sobre quais são os melhores, mas também a fiscalização dos padrões de qualidade.

Atuação do governo

Por mais que nem todas as empresas sejam vinculadas ao governo, serviços de utilidade pública devem seguir os mesmo padrões estabelecidos por cada vertente das suas determinações. Com relação às universidades que garantem o ensino superior, por exemplo, o MEC contam com um órgão próprio para tal tarefa.

Ao contrário do que se pensa, não são somente as universidades estaduais ou federais que passam pela avaliação do governo. Afinal, os profissionais formados em universidades particulares também terão responsabilidades perante a sociedade. Pensando nisso, a fiscalização deve abranger todas as universidades regulamentadas no sistema de ensino superior.

Um exemplo da polêmica que pode existir pela falta de fiscalização do MEC diz respeito à prova da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) realizada em 2011. O resultado mostrou a eliminação de uma quantidade anormal de candidatos, sendo que algumas instituições não conseguiram classificar nenhum. Com isso, surge a dúvida quanto a qual o conteúdo que vem sendo ensinado nas salas de aula.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Aísio Teixeira (INEP), órgão vinculado ao Ministério da Educação (MEC) elaborou um novo método para avaliar e ranquear as melhores universidades do Brasil.

Método de cálculo

Esse novo método é conhecido como Índice Geral de Cursos (IGC) e avalia as instituições de ensino superior com valores que vão de 0 a 500. Há também uma avaliação para cursos de pós-graduação, mestrado e doutorado.

Para chegar a esse número o IGC utiliza-se, nos cursos de graduação, 40% da nota obtida pela universidade no Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes), 30% do Conceito IDD (Indicador de Diferença entre Desempenho) e 30% das variáveis de insumo (corpo docente, infra estrutura e programa pedagógico).

A cada três anos o INEP lança para o público o resultado das novas avaliações que foram feitas sobre as universidades do Brasil. Assim, as informações ficam atualizadas de acordo com as mudanças que são feitas na estrutura da universidade. O período de três ano é suficiente para ocorrer alguma alteração organizacional, como a própria troca de professores.

Validade da classificação

Para os estudantes que estão prestes a entrar na vida acadêmica do ensino superior, é importante que a avaliação com o ranking seja lançada para escolherem melhor qual a faculdade que desejam cursar. Com isso, os alunos não são iludidos por propagandas das instituições, pois recebem os dados oficiais do governo.

Cada vez que sai um novo resultado é frequente ver propagandas das universidades que foram bem classificadas. Assim, a boa pontuação passa a ser almejada pelas instituições como estratégia para atrair os estudantes. Por esse lado, a avaliação só tem a acrescentar para os dois lados. Mesmo assim, muitos alunos do curso superior optam por boicotar o Enade, ao considerarem que a avaliação não é adequada para medir a capacidade da instituição.

Assim como acontece em diversos segmentos do Governo, existem contradições dentro da sua atuação com o público alvo. De qualquer maneira, por enquanto, esta é a melhor alternativa para classificar quais as melhores universidades do Brasil. Para se manter informado, basta visitar o site do MEC e conferir a última lista lançada pelo Ministério sobre as universidades do país e suas posições no ranking.

Pesquisar
Artigos Relacionados