Currículo Lattes Off Line

links patrocinados

Currículo Lattes Off Line

Currículo Lattes Off Line

A plataforma Lattes foi uma criação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) visando cadastrar todos os pesquisadores científicos do Brasil. No início, no meado da década de oitenta, esse era um processo lento e com uma atualização também complicada, pois tudo era feito através do sistema de dados impresso.

No início dos anos noventa, entretanto, o Conselho começou a investir em um sistema próprio computadorizado, que armazenasse as informações, o que viria posteriormente a se transformar na plataforma que conhecemos e usamos hoje.

Envio dos currículos

Anualmente, o CNPq recebia documentos de várias instituições ao redor do Brasil, de diferentes áreas e cursos de pesquisa, atualizando o currículo impresso. Isso significava que cada pesquisador e professor ou bolsista precisava fazer um relatório das produções daquele ano (artigos escritos, apresentações em congressos, seminários, palestras, atividades práticas, participações de monografias, cursos de aperfeiçoamento, entre várias outras atividades), comprovando cada uma delas para então serem analisadas pelo Conselho e aprovadas, aumentando a qualificação do seu currículo portanto.

Devido ao imenso número de documentos, sem contar nos possíveis erros de digitação, perda de arquivos e mais inúmeras outras situações, falhas acabavam prejudicando os pesquisadores, além de ser um trabalho árduo para o CNPq. Com isso, é criada a plataforma online que também poderia ser alterada e atualizada pelo próprio pesquisador. Esse serviço facilitaria a adição de qualquer atividade ao longo do ano (que pode ser colocada no currículo quando o pesquisador achar necessário, ao invés de apenas no fim daquele período letivo).

Entretanto, para não cortar completamente as atividades que vinham sendo feitas há mais de dez anos, o CNPq ainda recebia currículos na forma offline, ou seja, na forma física dos documentos em papel. Isso continuou acontecendo até que todos se acostumassem com o sistema online, bem como dar tempo para que os professores e mestres ensinassem os novos pesquisadores e bolsistas sobre essa alteração, além de dar um prazo razoável para as instituições adquirirem ou aumentarem o número de computadores (já que seu uso também cresceria).

Fim do currículo Lattes offline

O comunicado veio em outubro de 2006, quando no site oficial do CNPq, bem como no espaço de notícias na página inicial do Lattes, foi publicado um anúncio oficial de que o Conselho não receberia mais currículos offline (em papel) enviados para o órgão. Naquele mesmo ano, os usuários do sistema já deveriam fazer a atualização (caso ainda não tivesse sendo feita durante o período) individual na página. Como o envio offline era feito sempre no encerramento do ano, o CNPq optou por fazer a publicação em outubro e evitar receber mais documentos ainda em 2006.

O site do Lattes também possui uma base de estatísticas muito interessantes que mapeia e retrata de forma informativa sobre a produção acadêmica científica no país. Com esse sistema é possível constatar, por exemplo, que quase trinta por cento dos doutores do Brasil estão localizados em São Paulo e que as regiões Sul e Sudeste são responsáveis por mais do que metade de toda a produção de artigos no país.

Fotos

Confira Fotos do Currículo Lattes Off Line:

Curriculo LattesCurriculo Lattes
Página do curriculo LattesPágina do curriculo Lattes
Em 2006, o CNPq parou de receber curriculos em papelEm 2006 o CNPq parou de receber curriculos em papel

Pesquisar
Artigos Relacionados