Vacina Gripe Suína

links patrocinados

Vacina Gripe Suína

Vacina Gripe Suína

Sobre a Vacina Gripe Suína

A Gripe H1N1, popularmente conhecida como gripe suína, surgiu no ano passado e assustou todo mundo, por causa da rápida disseminação do vírus e também pelo número de vítimas que fez no país e no mundo todo.

A vacina contra a gripe suína já está sendo fabricada e deve começar a ser distribuída em nosso país a partir de março. O governo federal preparou um calendário de vacinação para a prevenção da H1N1.

O Ministério da Saúde pretende imunizar nesta campanha mais de 62 milhões de brasileiros, em quatro etapas, dando prioridade aos grupos de risco. A primeira etapa do calendário de vacinação ocorrerá entre os dias 8 a 19 de março. Nesta ocasião, receberão as doses da vacina os profissionais do serviço de saúde e a população indígena.

Na segunda etapa de vacinação, que acontecerá entre os dias 22 de março a 02 de abril, serão vacinadas crianças de 6 meses a 2 anos de idade e também os portadores de doenças crônicas. Na terceira etapa, que vai do dia 5 a 23 de abril, receberão a vacina mulheres grávidas, pessoas com idade entre 20 a 29 anos. Na quarta e última etapa, do dia 24 de abril a 7 de maio, serão imunizados os idosos com doenças crônicas e novamente as gestantes.

O Ministério da Saúde quer, dessa forma, proteger os grupos de pessoas mais suscetíveis ao vírus H1N1 baseado no número de casos e vítmas da gripe suína em nosso país. O Brasil comprou 83 milhões de dose de vacinas.

Calendário Vacinação Gripe Suína

Calendário Vacinação Gripe Suína

Sobre o Calendário Vacinação Gripe Suína

Com a notícia de que a vacina contra a gripe suína tinha sido fabricada veio a pergunta de como seria a distribuição da mesma e quem poderia tomá-la. O calendário foi definido pelo Ministério da Saúde, que recebeu as doses e as distribuiu conforme a necessidade de cada estado. Confira o calendário de vacinação da gripe suína.

A gripe suína (influenza A H1N1) apareceu no mundo no ano passado, no México. Isso porque um dos milhares de tipos de vírus da gripe se modificou e ganhou resistência. Ninguém estava preparado para a pandemia, muito menos se sabia qual era o antídoto.

Milhares de pessoas morreram em todo o mundo, inclusive no Brasil. Conforme a doença foi evoluindo, percebeu-se que existiam alguns tipos de pessoas que eram mais pré-dispostas a pegar o vírus – e a desenvolver a gripe mais rapidamente, podendo vir a falecer devido a complicações.

Calendário Vacinação Gripe Suína

Baseado em todos esses aspectos, foi definido que a vacinação contra a gripe suína seria realizada de acordo com esses grupos de risco. Basicamente ficou da seguinte forma:

De 8 de março a 21 de março – índios e funcionários da área da saúde que têm contato direto com pacientes com sintomas suspeitos de gripe A.

De 22 de março a 2 de abril – gestantes, crianças que tenham de seis meses a dois anos de idade e pacientes com doenças crônicas.

De 5 de abril a 23 de abril – jovens que tenham entre 20 e 29 anos.

De 24 de abril a 7 de maio – idosos com mais de 60 anos que não têm doenças crônicas (os que têm entram no primeiro grupo de risco com as gestantes e crianças).

Febre aftosa - vacinação da Febre aftosa

Febre aftosa

Sobre a Febre aftosa

Um dos maiores problemas que atrapalham a produção de animais bovinos, suínos, caprinos, búfalos, ovinos e outros animais que possuem cascos fendidos é a febre aftosa. Esta doença é transmitida por um vírus altamente contagioso, que infecta espaços onde os animais transitam, mas que também pode se espalhar pelo vento.

Dificilmente, os seres humanos são infectados com a febre aftosa. No entanto, alguns cuidados devem ser tomados para a completa manutenção dos animais infectados. Esta doença está presente, nos dias de hoje, na Europa, Ásia, América do Sul e na África. Os Estados Unidos são exemplos de um país que se livrou da febre aftosa, pois não presencia esta doença desde 1922.

O vírus da febre aftosa, além de se espalhar pelo vento, também se concentra no líquido das vesículas do animal contaminado. Desta maneira, quando as vesículas estouram, o vírus contamina o ambiente onde o animal se encontra, bem como pastos e estradas por onde o animal passou.

Identificação da Febre aftosa

A melhor maneira de identificar se algum animal está contaminado com o vírus da febre aftosa é procurar a ajuda de um profissional qualificado para realizar o trabalho. No entanto, os animais apresentam certos sintomas que podem, facilmente, identificar o problema, como febre alta, salivação, depressão, cansaço e, uma característica mais visível, o andar torto, causado pela dor das vesículas.

Embora os animais contaminados com a febre aftosa apresentem estes sintomas, além de perder peso e a capacidade de gerar leite, a taxa da mortalidade destes animais é de apenas 5% nos animais adultos. Por ser uma doença contaminosa, a febre aftosa pode se alastrar por enormes áreas, gerando prejuízos para os pecuaristas. Geralmente, quando se descobre vários focos da doença, todo o rebanho é sacrificado.

Vacinação da Febre aftosa

Uma das formas de prevenção da febre aftosa adotadas aqui no Brasil é a vacinação de todo o rebanho a partir do 3º mês de idade, feito de 6 em 6 meses. Para que o animal possa ser vacinado, é imprescindível que ele se encontre em boas condições de saúde, pois animais debilitados não respondem de maneira adequada à vacinação.

Pesquisar
Artigos Relacionados