Judaísmo

links patrocinados

Judaísmo

Das três grandes religiões monoteístas do mundo – judaísmo, cristianismo e islamismo -, o judaísmo é a mais antiga. Embora não seja uma religição unificada, o judaísmo possui uma série de elementos comuns que permitem sua identificação, como a crença em Adonai e a escolha do povo judeu para receber os mandamentos divinos.

História

A religião judaica tem seu início na crença de que o Criador realizou um pacto com Abraão e seus filhos. Historicamente, acredita-se que o judaísmo é uma fusão de costumes tribais da região do Levante, no Oriente Médio. Estes costumes teriam sido unificados a partir do desejo de criação de uma identidade judaica.

Judeus

De acordo com a lei judaica, os judeus são aquelas que nascem de mãe judia ou se convertem durante a vida. Em algumas das ramificações do judaísmo, também é considerado judeu quem possui apenas o pai judeu, desde que tenha sido criado num ambiente judaico.

Quem abandona o judaísmo é considerado morto por seus pares, havendo, inclusive, o luto de família e amigos. Este abandono, entretanto, só existe se o judeu se converte a outra religião. Se o praticante se torna ateu, por exemplo, ele continua sendo considerado judeu. O mesmo não acontece se ele se converter à fé católica.

Liturgia judaica

As práticas próprias de uma religião são chamadas de liturgia. No caso do judaísmo, existe uma série de características que o diferenciam das demais religiões. Quem é um judeu devoto, por exemplo, deve ir à sinagoga três vezes ao dia.

O dia sagrado para os judeus é o Shabat, que tem início no pôr do sol de sexta-feira e dura até o início da noite de sábado. Nesta ocasião se acendem velas, são feitas preces e há uma refeição em família.

Alguns momentos são essenciais na vida de um judeu, como a circuncisão dos meninos no oitavo dia de vida, além do Bar Mitzvah, que simboliza a entrada na vida adulta. As datas religiosas dos judeus incluem o Yom Kipur, quando é feito um jejum de 25 horas, o Rosh Hashaná, que equivale ao Ano Novo cristão, e diversos outros.

Ano Novo Judeu

O calendário oficial do Brasil segue a ordem de início e fim da mesma maneira como os cristãos acreditam pela ordem dos acontecimentos envolvendo Jesus Cristo. Pode parecer estranho, mas outras religiões acreditam em outros calendários, os quais tem o início e fim em datas diferentes das mais conhecidas pela população brasileira.

Novo ciclo

Um dos exemplos de calendário diferenciado é o do ano novo judeu, também conhecido como Rosh Hashaná. No ano de 2011, o calendário judeu teve início em 28 de setembro, o qual representa o ano 5772. Essa é outra diferença com relação ao calendário cristão, pois a conta divide os períodos em: Antes de Cristo (AC) e Depois de Cristo (DC).

Por isso é que agora estamos no ano de 2011, pois representa a quantidade de anos que se passaram desde o sacrifício de Jesus. Para os judeus, o ciclo começa a partir da criação de Adão e Eva, que foram feitos no sexto dia da Criação.

O nome do mês no qual o ano judaico começa é Tishrei. Enquanto é considerado o primeiro mês do calendário judaico, o Tishrei representa o sétimo mês do calendário bíblico. O Rosh Hashaná também é considerado Dia de Julgamento (Yom ha-Din) e Dia de Lembrança (Yom ha-Zikkaron).

Significados

Esses outros dois nomes representam como que o dia deve ser levado pelos judeus, pois devem demonstrar redenção e instrospecção. A fase serve para a reflexão sobre as atitudes que vem sendo tomadas e, caso seja necessário, pedir desculpas e se redimir pelos erros cometidos.

Os judeus também acreditam que depois do Dia de Julgamento e do Dia de Lembrança, que tem período de duração por dez dias, vai chegar o Yom Kipur, quando o Criador julga os homens. Assim, os judeus também acreditam na questão da culpa e do reconhecimento dos “pecados”, que podem custar um lugar sagrado de proteção eterna.

Para conhecer mais sobre o ano novo judaico, basta fazer uma rápida consulta na internet. Existem sites oficiais para divulgar informações sobre essa cultura pouco conhecida no Brasil. As diferenças podem ser interessantes para entender como esse outro povo vive a cada ano e como se adaptam ao calendário bíblico.

Pesquisar
Artigos Relacionados