Guia de Carreiras – Educação física

links patrocinados

Sobre Guia de Carreiras - Educação física

Guia de Carreiras – Educação física

Para se tornar um bom profissional da educação física, é preciso ser dinâmico e ter muito comprometimento. Também é necessário que o profissional esteja em constante atualização, pois há novidades no setor a todo tempo. De acordo com Renata Rodrigues, que atua na profissão há 20 anos, o principal requisito para obter sucesso na área de educação física é saber lidar com outras pessoas.

O curso

Existem três modalidades dentro do curso de educação física: licenciatura, licenciatura plena e bacharelado. Quem se torna bacharel pode trabalhar em empresas, clubes e academias, por exemplo. A licenciatura tradicional habilista o profissional para atuar em escolas. A licenciatura plena, por sua vez, permite a atuação em qualquer uma destas áreas. Contudo, é preciso estudar um pouco mais, cerca de um ano e meio.

Os cursos de licenciatura e bacharelado têm duração média de quatro anos. Neles, os estudantes terão diversas disciplinas da área da biologia, como ortopedia, fisiologia e anatomia. O curso também oferece matérias como economia, administração e estatística, além de disciplinas mais específicas, como, por exemplo, desenvolvimento motor. O curso de educação física tem estágio obrigatório e, em alguns cursos, é necessária a realização de uma monografia.

Embora não seja obrigatória, uma especialização é altamente recomendável. Renata Rodrigues, por exemplo, se especializou na área aquática. O profissional também pode escolher setores como esportes, musculação, ginástica e desenvolvimento motor. É importante que, durante o curso de graduação, o profissional experimente todas as áreas possíveis, para que possa focar sua carreira após se formar.

De acordo com o Guia do Estudante, as melhores universidades brasileiras para o curso de educação física são o da UFRGS (Rio Grande do Sul), UFSC (Santa Catarina), Unicamp (Campinas), Unesp (Rio Claro) e USP (São Paulo).

Mercado de trabalho

O mercado de trabalho em educação física é muito amplo. Embora as escolas sejam o principal destino dos profissionais da área, outros setores têm se interessado mais pelo ofício, como as empresas privadas. Nestes locais, o profissional atua com a chamada ginástica laboral. Condomínios e spas também têm sido um destino interessante para os graduados, além de rotas de turismo ecológico, onde são realizadas atividades como exploração e montanhismo.

Entre os anos de 2007 e 2010, o número de academias no Brasil duplicou. Atualmente, existem mais de 17 mil academias registradas no país, onde cerca de quatro milhões de pessoas se exercitam todos os dias. O mercado para os profissionais deste setor, consequentemente, está bem aquecido. O constante aumento da preocupação com a saúde e o bem-estar devem manter a tendência da ampliação deste mercado nos próximos anos. Outro setor que tem atraído cada vez mais profissionais é o de personal trainer.

Remuneração

Os profissionais que trabalham em academias têm piso salarial de R$1200. Aqueles que atuam com ensino recebem R$1400 de salário inicial. Estes valores são válidos para o estado de São Paulo, e podem variar de acordo com a região. Para os professores, os melhores salários estão na rede particular de ensino.

Fotos

Confira Fotos sobre Guia de Carreiras – Educação física:

Profissão Professor de Ed. Física Mercado de Trabalho Educação física Área de atuação  Educação física Educação física Guia de Carreiras

Pesquisar
Artigos Relacionados